Destaques
Notícias de Vila Franca de Xira Notícias de Alverca Notícias de Póvoa de Santa Iria Notícias de Alhandra Notícias da Castanheira do Ribatejo Notícias de Vialonga
Notícias de Vila Franca de Xira

Notícias de Vila Franca de Xira

Todas as notícias e eventos relacionados com a cidade de Vila Franca de Xira.

Tortor magna dolor, aliquam tellus iaculis

Notícias de Alverca do Ribatejo

Todas as notícias e eventos relacionados com a cidade de Alverca do Ribatejo.

Suscipit lorem tristique

Notícias da Póvoa de Santa Iria

Todas as notícias e eventos da Póvoa de Santa Iria.

The First Featured Article

Notícias de Alhandra

Todas as notícias e eventos de Alhandra.

The First Featured Article

Notícias da Castanheira do Ribatejo

Todas as notícias e eventos da Castanheira do Ribatejo.

The First Featured Article

Notícias de Vialonga

Todas as notícias e eventos de Vialonga.

terça-feira, 4 de Janeiro de 2011

Concelho de Vila Franca de Xira sem Unidade Móvel de Saúde nos próximos anos

18:46





fotoA criação da prometida Unidade Móvel de Saúde para percorrer as freguesias mais rurais do concelho de Vila Franca de Xira é uma ideia que não vai avançar pelo menos nos próximos dois anos. A garantia é do vereador Fernando Paulo, que disse a O MIRANTE que o projecto é menos prioritário que o novo Centro de Saúde de Alhandra.

 A Unidade Móvel de Saúde, um projecto que iria servir as freguesias mais rurais do concelho de Vila Franca de Xira, prestando apoio médico e de enfermagem aos mais idosos, não vai avançar nos próximos dois anos. A garantia foi dada a O MIRANTE pelo vereador da Câmara Municipal, Fernando Paulo, na última visita do executivo à freguesia de São João dos Montes.

Segundo o autarca a criação da Unidade Móvel de Saúde é menos prioritária que a construção do novo Centro de Saúde de Alhandra, que ficará concluído até 2012.

“Nós temos vindo a investir com o Ministério da Saúde na requalificação dos nossos equipamentos. Estamos com a obra do Centro de Saúde de Vila Franca de Xira praticamente concluída e avança em 2011 o projecto do Centro de Saúde de Alhandra. Temos duas prioridades seguintes a este processo. Uma diz respeito à criação de uma Unidade de Saúde familiar no Sobralinho, cuja iniciativa será dos médicos e enfermeiros que possam vir a candidatar-se à criação dessa unidade e uma segunda prioridade em relação à criação do posto móvel de saúde”, explicou.

Segundo o autarca o assunto é discutido com regularidade pela Câmara Municipal de Vila Franca junto da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT) mas ainda não conheceu desenvolvimentos. “Neste momento os protocolos de financiamento que conseguimos por parte da ARSLVT dizem respeito apenas à construção das grandes infra-estruturas. Mas essa é uma possibilidade que está em cima da mesa. Pretendemos que venha a estar resolvido dentro dos próximos dois anos”, avançou.

A criação da Unidade Móvel de Saúde, recorde-se, foi apresentada pela presidente da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira, Maria da Luz Rosinha, em Dezembro de 2009, como uma das grandes apostas da área da saúde aquando da aprovação do último orçamento. Consistia na adaptação de uma carrinha em estrutura móvel que permitisse levar médicos e enfermeiros às freguesias mais distantes, rurais e com maior população idosa do concelho, como Calhandriz, Cachoeiras e São João dos Montes.

“Estas três freguesias têm população idosa com bastantes dificuldades de locomoção, especialmente em caso de doença”, admitiu o autarca. Para o presidente da Junta de Freguesia de São João dos Montes, Hugo Moisés, a criação da unidade móvel de saúde seria “excelente” para quem ali vive. “Hoje temos o problema da mobilidade porque temos uma população idosa que tem maiores dificuldades em deslocar-se para as unidades de saúde. Daí a importância desta unidade móvel. Quanto mais rapidamente poder ser implementada melhor”, defendeu.

Ler a notícia completa

Moradores da Póvoa contra variante entre a EN10 e a Quinta da Piedade

18:40



foto
A Câmara Municipal de Vila Franca de Xira está a estudar a possibilidade de construção de uma via rápida que ligará a Estrada Nacional 10 à Quinta da Piedade, na cidade da Póvoa de Santa Iria. Os moradores estão contra o projecto e temem perder qualidade de vida.



Os moradores da Quinta da Piedade, na Póvoa de Santa Iria, concelho de Vila Franca de Xira, estão contra a intenção da câmara municipal de construir uma via rápida que ligará a congestionada Estrada Nacional 10 à Quinta da Piedade. Quem ali vive teme que a artéria, pensada para ter duas faixas, venha a transformar-se numa variante à EN10, provocando aumento do trânsito e consequente diminuição da qualidade de vida dos moradores. 

“Além disso se isto se tornar num caos o valor das casas que comprámos vai cair a pique. Tal como está pensada esta estrada não vai ser um acesso à Quinta da Piedade, vai ser uma variante envenenada à estrada nacional, como hoje acontece em Vila Franca com os condutores que atalham caminho pela rua Miguel Bombarda, por detrás do tribunal”, lamenta Fernando Cunha, morador, a O MIRANTE.

Além da desvalorização das casas e da qualidade de vida os moradores temem também um aumento da poluição sonora e ambiental. “Quando comprámos aqui as casas foi mesmo para estarmos afastados do barulho e poluição. Se quisesse uma via rápida à porta de casa tinha comprado uma vivenda em Vialonga”, lamenta Susana Ribeiro, moradora.

Algumas destas preocupações foram levadas a uma das últimas reuniões públicas da câmara municipal pelos vereadores comunistas, que questionaram o executivo sobre alegadas violações ao Plano Director Municipal (PDM) que a construção da estrada irá causar.

“Chegou a este gabinete informação de munícipes da freguesia da Póvoa de Santa Iria dando conta da intenção da câmara de alterar o PDM visando inserir na zona uma estrada para escoar o tráfego da estrada nacional 10, violando o PDM, no qual está previsto a construção de um caminho pedonal e espaços verdes”, questionou a vereadora Ana Lídia. 

Em resposta enviada a O MIRANTE a câmara municipal esclareceu que a construção da via “ainda está em análise” e, a ser realizada, será por questões de eficiência, fluidez e melhoria de acessibilidades ao local. “A situação não está implicada, pela sua escala e pormenor, nas matérias tratadas pelo Plano Director Municipal, em vigor desde 2009, o qual transporta este nível de detalhe para a figura dos planos de hierarquia inferior e estudos de loteamento. A área da Quinta da Piedade está abrangida por loteamento, sendo nessa sede que o assunto se enquadra e será analisado”, esclarece a câmara municipal, sem contudo confirmar se o local estava, ou não, destinado a espaços verdes e a um caminho pedonal.

“A legislação do Ordenamento do Território prevê a possibilidade de alterações ao PDM e não se lhes pode chamar de “violação” ao PDM”, acrescentou o município. Os moradores já garantiram que vão preparar acções de protesto para 2011 para lutar contra a intenção municipal de construir a estrada.
Fonte: O Mirante.

Ler a notícia completa

Colisão fatal contra autocarro

18:32

Um choque entre uma carrinha e um autocarro da empresa Boa Viagem, no IC2, perto de Castanheira do Ribatejo, Vila Franca de Xira, causou no passado Domingo a morte imediata do condutor da carrinha – Alexandre Agostinho Gomes, 58 anos – e ferimentos no condutor e numa passageira do autocarro.O adormecimento, ou um súbito problema de saúde do condutor da carrinha Mitsubishi, terão estado na origem do sinistro ocorrido pelas 10h35 de anteontem. O condutor do autocarro da Boa Viagem, que circulava com 12 passageiros no sentido Castanheira do Ribatejo-Vila Franca de Xira, não evitou o choque frontal com a carrinha, que circulava no sentido contrário e saiu fora-de-mão. 

Alexandre Gomes, residente em Ventosa, Alenquer, conduzia o veículo de mercadorias e teve morte imediata. O embate estilhaçou o vidro frontal do autocarro, ferindo o condutor e uma passageira, levados ao Hospital de Vila Franca.
Fonte: Correio da Manhã.

Ler a notícia completa

domingo, 19 de Dezembro de 2010

Campanha “Reciclar+Dar=Ajudar” juntou meia tonelada de roupa e brinquedos

16:44

A campanha de solidariedade “Reciclar+Dar=Ajudar” angariou cerca de meia tonelada de roupa e brinquedos. A iniciativa decorreu em Outubro e Novembro, nas Casas de Juventude do concelho de Vila Franca de Xira, e contou com a participação de 150 jovens, com idades compreendidas entre os 20 e os 35 anos. Os bens foram entregues à instituição “Obra das Mães”, em Alhandra.

Embora estivesse programado para terça-feira, 14 de Dezembro, a entrega dos bens angariados pela Câmara Municipal de Vila Franca de Xira à instituição “Obra das Mães”, na Paróquia de Alhandra, a acção já tinha decorrido. “Esperamos que os bens sejam úteis não só nesta altura do ano mas também que possam ficar armazenados para irem suprindo as carências que surjam ao longo do próximo ano”, disse o vereador Fernando Paulo. A “Obra das Mães” ajuda famílias não só de Alhandra, mas também de São João dos Montes e do Sobralinho. “Esta campanha vem ajudar muito. Estamos muito gratas aos nossos jovens que são capazes destes gestos quando são bem acompanhados e orientados na vida”, disse Alice Pedro, da “Obra das Mães”.

Promovida pelo Pelouro de Juventude do Município de Vila Franca de Xira, a campanha “Reciclar+Dar=Ajudar” propôs aos jovens e população em geral, que, durante os meses de Outubro e Novembro, depositassem nas Casas da Juventude bens que não necessitassem, apelando assim à sua consciência cívica e entreajuda social. 
Fonte: O Mirante.

Ler a notícia completa

806 mil euros para reabilitar acessibilidades

16:40

A Câmara Municipal de Vila Franca de Xira assinou sexta-feira um protocolo com a administração central para a beneficiação de um conjunto de acessibilidades afectadas pelas intempéries de Fevereiro deste ano. O protocolo foi assinado na Escola EB1 de À-dos-Loucos, freguesia de São João dos Montes, e tem um valor de 806 mil euros.

“Hoje é o dia em que ganhamos as condições para fazer um conjunto de obras”, realçou a presidente da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira, Maria da Luz Rosinha, explicando que a autarquia decidiu realizar a cerimónia naquela escola por ser uma das infra-estruturas onde se registaram prejuízos decorrentes ao mau tempo.

Os cerca de 806 mil euros, juntando mais um milhão financiado pela Câmara Municipal, vão servir para resolver “alguns dos problemas registados”, nomeadamente no muro de suporte da escola, o muro da Estrada Nacional 248-3, em São João dos Montes e a Estrada Municipal do Farrobo a Santa Sofia, na freguesia de Vila Franca de Xira.

“Fica a faltar uma obra para a qual este dinheiro todo não chegaria, que é a reparação da Estrada de S. Marcos, na freguesia da Calhandriz”, avançou Maria da Luz Rosinha, acrescentando que “vamos fazer duas intervenções e reservar uma terceira logo que seja possível”.

Segundo a autarca, os problemas verificados nesta via estão a ter impactos na Estrada Nacional 10-6. “Juntamente com a Estradas de Portugal estamos a procurar encontrar a melhor solução do ponto de vista técnico e depois tomaremos as decisões possíveis e necessárias”, disse.

Presente na cerimónia, o secretário de Estado da Administração Local, José Junqueiro, afirmou que “o que fizemos aqui também fizemos no Oeste e as autarquias, com os contratos-programa celebrados, estão a receber na hora”.

O governante acrescentou que o mesmo se vai passar com os municípios da Sertã, Tomar e Ferreira do Zêzere. “Quando estas coisas acontecem, o que as pessoas precisam é de soluções e não de reclamações e isto é que é fazer parte da solução”, referiu. 
Fonte: O Mirante.

Ler a notícia completa

Assembleia de Freguesia de Vila Franca de Xira alerta para falta de segurança na cidade

16:35

A freguesia de Vila Franca de Xira tem “poucos polícias na rua” e está “insegura”, segundo os deputados da CDU e do PS na Assembleia de Freguesia, que manifestaram preocupações relacionadas com a segurança na última sessão pública daquele órgão, realizada no dia 18 de Dezembro no Grupo Desportivo e Cultural da Loja Nova.

Os deputados mostraram preocupações com o tema e apontaram o dedo aos agentes policiais, acusando-os “de não saírem do quartel” e de, das poucas vezes que o fazem, “ser para multar os automobilistas”.

A crítica mais feroz foi da bancada socialista, com Marques da Costa a defender o regresso do comando metropolitano da Polícia de Segurança Pública para a sede do concelho.

“A segurança na cidade anda muito mal, desde a saída da GNR e do comando da PSP. Os agentes que estão destacados para Vila Franca não se vêem nas ruas. Uma das últimas vezes que os vi acompanhei-os, apenas para ver que só estavam ocupados a multar os condutores que paravam em frente à Caixa Geral de Depósitos. Se só saem à rua para multar mais vale não saírem”, criticou. O autarca defendeu ainda o regresso a Vila Franca do comando metropolitano da PSP, entendendo que o mesmo “foi retirado à cidade sem glória”. Outros autarcas comentaram o facto de, à noite, o cenário “ser bem pior” e ter sido “uma sorte ainda não ter acontecido nada de muito grave”. 
Fonte: O Mirante.

Ler a notícia completa

Violência doméstica está a aumentar no concelho de Vila Franca de Xira

14:29

foto
Durante um encontro dedicado à “Responsabilidade Social das Empresas” a Conselheira Municipal para a Igualdade, também responsável pelo Observatório Local de Vila Franca de Xira, Helena Gonçalves, alertou para o aumento dos casos de violência doméstica no concelho.

O problema da violência doméstica tem vindo a aumentar no concelho de Vila Franca de Xira. O alerta foi deixado pela Conselheira Municipal para a Igualdade e responsável pelo Observatório Local de Vila Franca de Xira, Helena Gonçalves, durante o encontro “Responsabilidade Social das Empresas”, iniciativa que assinalou o décimo aniversário da Rede Social do concelho de Vila Franca de Xira, na segunda-feira, 13 de Dezembro, no Museu da Central de Cervejas e Bebidas, em Vialonga.

Os cinco eixos prioritários de intervenção para o Plano de Desenvolvimento Social (PDS) 2011-2013 foram apresentados durante a sessão e passam pelo apoio à população idosa/dependente, ocupação de tempos livres de crianças e jovens, qualificação e emprego, parcerias e economia social e equipamentos sociais.
Em relação à população idosa/dependente o objectivo é melhorar as suas condições de vida. “Temos de conhecer as reais necessidades deste grupo de modo a construir uma base de dados que centralize as suas necessidades”, explicou a conselheira municipal, que pretende também criar um grupo de voluntários para chegar aos idosos que vivem mais isolados, realizando várias acções de sensibilização.

Criar uma plataforma de articulação entre as Instituições Particulares de Solidariedade Social, as escolas e as associações que existem no concelho de Vila Franca de Xira, capacitando os técnicos das associações para dinamizar as actividades dirigidas às crianças e jovens é outra das metas propostas para os próximos três anos. “Queremos também contribuir para a diminuição do desemprego no concelho. Vamos realizar o levantamento das necessidades do emprego local para adequar a oferta às necessidades da população”, explicou Helena Gonçalves. 

Impulsionar as empresas a realizar acções de formação para os colaboradores e apostar na promoção do empreendedorismo são outros objectivos. O PDS prevê a articulação das várias instituições para trabalhar com o tema e a realização de várias acções de sensibilização dentro das empresas, assim como a criação de um guia de recursos interactivo. Em relação ao eixo dos equipamentos sociais o objectivo traçado para estes três anos é simples: proceder a um levantamento exaustivo dos equipamentos existentes, de modo a poder realizar um melhor a nível da construção destes equipamentos.

O presidente da Associação para a Intervenção Social e Comunitária, Manuel Martins, reforçou o último eixo, dizendo que é necessário realizar um levantamento exaustivo das instituições sociais que existem não olhando só para o que se vai criar. “Se um equipamento não serve mais deve ser adaptado para outra funcionalidade”, frisou. 

Em relação à comemoração dos 10 anos da rede social de Vila Franca de Xira, presidente da Câmara, Maria da Luz Rosinha, aproveitou para salientar a sua importância: “A rede social tem vindo a constituir-se como a única resposta para várias pessoas e por isso reveste-se de especial importância não só para o concelho como para o próprio país”. Segundo a autarca, existem agora “novos pobres” que precisam de um acompanhamento social e nem todas as situações de carência social podem ser dadas como adquiridas. “Temos pessoas em situações crónicas de pobreza que nada fazem para sair delas e outras que precisam realmente de uma resposta. Muitas vezes as entidades não actuam em tempo útil. Tivemos crianças em lares de acolhimento que não estavam a ter o devido acompanhamento”, disse Maria da Luz Rosinha.
Na rede social estão envolvidas actualmente cerca de 150 instituições, do sector público e privado. A Orquestra de Vialonga encerrou o encontro com um pequeno concerto.

Duas empresas com responsabilidade social
O director de relações institucionais da Central de Cervejas e Bebidas S.A. de Vialonga, Nuno Pinto Magalhães, realçou alguns projectos da empresa que demonstram a sua responsabilidade social. Desde o investimento de quatro milhões de euros para melhorar e optimizar a sua Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR), passando pelo protocolo anual estabelecido com a Câmara Municipal de Vila Franca de Xira que permite apoiar cerca de 200 famílias carenciadas e terminando nas acções de sensibilização do consumo de bebidas alcoólicas nas escolas. Estas são apenas algumas das acções levadas a cabo pela Central de Cervejas e Bebidas. 

Também António Santos, do gabinete de Relações Públicas da CIMPOR, destacou que o desenvolvimento social é sempre levado em conta em que todas as perspectivas de crescimento e expansão da empresa. A fábrica de Alhandra, concelho de Vila Franca de Xira, considerada a “ex-libris” do grupo teve um investimento, desde 2000, de 92 milhões de euros. Cinquenta por cento deste valor foi investido a nível ambiental e social. António Santos destacou ainda o programa que incentiva o voluntariado dos colaboradores. “Se um trabalhador resolve apoiar alguma instituição, a CIMPOR contribui com oito vezes esse valor”.
Fonte: O Mirante.

Ler a notícia completa

Hospital sob investigação por discriminar seropositiva

14:19

A Inspecção-geral das Actividades em Saúde (IGAS) está a investigar uma denúncia de discriminação de uma doente seropositiva e portadora de hepatite C durante um internamento no Hospital Reynaldo dos Santos, em Vila Franca de Xira. O processo de inquérito foi instaurado a 6 de Dezembro. M. J., 38 anos, questiona terem-lhe dado talheres descartáveis em todas refeições, o facto de alguns auxiliares terem usado mais do que um par de luvas quando a assistiam e de, em mês e meio de internamento, só ter tido uma companheira de quarto, quando havia mais duas camas livres.

Casos como este não são inéditos na IGAS, mas são raros. Este é o primeiro interposto com o apoio jurídico do centro antidiscriminação lançado este ano pela Ser+ (Associação Portuguesa para a Prevenção e Desafio à Sida) e pelo GAT (Grupo Português de Activistas sobre Tratamentos de VIH/sida). Desde Fevereiro receberam 30 denúncias, a maioria relacionada com profissionais de saúde. M.J., foi a primeira a avançar para uma queixa formal. Ao i diz que o caso é para levar até ao fim. "Temos de começar a fazer qualquer coisa. Conheço casos tão graves ou até piores do que o meu, mas as pessoas não falam. Umas por receio, outras porque são situações difíceis de provar." A investigação em curso na IGAS poderá ter três desfechos: o arquivamento - caso as justificações do hospital sejam satisfatórias - um procedimento disciplinar ou recomendações ao corpo clínico, para prevenir situações futuras.

O caso A 22 de Agosto M. J. sofre um acidente de viação que a deixa em risco de vida. Dá entrada no Hospital de São José, em Lisboa, com um traumatismo craniano, duas costelas partidas e fracturas expostas no fémur e na tíbia. É operada de urgência nesse domingo e fica nos cuidados intensivos até quinta-feira, quando é transferida para o serviço de Ortopedia do Hospital Reynaldo dos Santos, na sua área de residência. Ficaria internada durante mês e meio.

"Como estava medicada com morfina lembro-me muito pouco dos primeiros dias", conta M.J. Logo que recuperou a consciência, começou aperceber-se de sinais errados. Ela e o filho, de 14 anos. "Um dia perguntou-me porque é que o auxiliar tinha posto dois pares de luvas para mexer numa arrastadeira." Os talheres descartáveis também foram uma surpresa - mesmo para quem está habituada a esperar até ao final da lista de pacientes no atendimento hospitalar, como já voltou a acontecer quando foi retirar uma prótese da perna ao Hospital da Luz. "Se é por medo de infecção, sou a primeira vítima: uma gripe que apanhe pode matar-me. Por outro lado, questiono que tipo de limpeza será feita depois de cada intervenção."

Numa das refeições no Hospital de Reynaldo dos Santos, o marido apanhou uma folha de serviço da cozinha deixada no quarto e viu que M. J. era a única com a indicação de louça descartável. "Além de ser discriminatório, violaram o meu direito de confidencialidade. Todas as pessoas, da cozinha aos auxiliares, ficaram a saber que tinha uma doença infecciosa." Todos, menos a colega do quarto, que um dia questionou porque é que, com o serviço de Ortopedia lotado, as duas outras camas do quarto nunca foram ocupadas. "Enquanto lá estive, nunca disse nada. Estava à mercê deles", justifica. Outra coisa que não questionou foi nunca lhe terem sido administrados anti-retrovirais. "Disseram-me que o hospital não tinha infecciologista", justifica. A medicação era-lhe trazida todos os dias pelo marido, de casa.

Ana Alcazar, directora clínica do Hospital de Reynaldo dos Santos, assegurou ontem ao i não ter havido qualquer situação de discriminação durante o internamento da paciente. "O hospital teve os comportamentos adequados perante um doente do foro infeccioso." Numa carta enviada a M.J., a responsável informa "não existir qualquer documento com instruções para que as refeições sejam servidas em louça descartável a doentes com VIH/sida."

A folha de serviço, a que o i teve acesso, não explicita a condição da doente mas refere a indicação de louça descartável. Ana Alcazar adianta que há doentes que até a preferem e não vê nessa rubrica uma situação de discriminação. Quanto às camas vagas, esclarece que se não foram ocupadas foi por não haver necessidade. "Temos poucas camas e até costumamos colocar doentes de outros serviços em Ortopedia. Não me posso dar ao luxo de deixar camas vagas." 

Fonte: ionline.

Ler a notícia completa

quinta-feira, 14 de Outubro de 2010

GNR apreendeu amêijoa imprópria para consumo

10:40

A GNR apreendeu mais de uma tonelada de amêijoa "imprópria para consumo humano", com valor comercial "superior a 8500 euros", ontem, quarta-feira, em Vila Franca de Xira. Segundo a Unidade de Controlo Costeiro (UCC) da GNR, o sub destacamento de Lisboa "apreendeu ontem, em Vila Franca de Xira, cerca de 1110 quilos de amêijoa japónica em situação irregular", no decorrer de uma acção de fiscalização.

Aquela força de segurança estima que os bivalves apreendidos tenham um valor comercial "superior a 8500 euros", sendo que meia tonelada era transportada numa viatura e os restantes 610 quilos estavam prontos a ser carregados.

"A amêijoa, que havia sido capturada no rio Tejo, foi analisada pela autoridade veterinária e considerada imprópria para consumo humano", pelo que se "procedeu à sua destruição" numa empresa de tratamento de resíduos.

Ainda de acordo com a fonte do comando "todos os responsáveis foram identificados e elaborados os respectivos autos" de contra ordenação. Fonte: Jornal de Notícias

Ler a notícia completa

PSP deteve ontem quatro suspeitos de assaltos a armazéns em Alverca

10:31

A PSP de Vila Franca de Xira deteve, na terça-feira, quatro homens de cidadania romena, suspeitos de cometer vários assaltos a armazéns em Alverca, informou à Lusa fonte da PSP de Lisboa. A mesma fonte adiantou ainda que foram recuperadas três viaturas furtadas e com matrículas falsas, sendo que um dos condutores não possuía carta de condução. Foram também recuperados vários componentes automóveis de som e de luz.

As detenções dos homens, com idades entre os 17 e os 30 anos, foram fruto de suspeitas da PSP de Vila Franca de Xira que andava a realizar vigilâncias aos indivíduos, que actuavam em toda a linha da Azambuja.

Os suspeitos vão ser presentes ao tribunal de Vila Franca de Xira na quinta-feira, uma vez que a PSP, em coordenação com a GNR, ainda está a proceder a diligências. Por terem sido detectadas matrículas falsas, a Polícia Judiciária de Lisboa também foi notificada para o caso.

Fonte: Cidade de Alverca

Ler a notícia completa

sábado, 9 de Outubro de 2010

Coligação Novo Rumo quer tarifas especiais na carreira urbana de Vialonga

12:16

A bancada da Coligação Novo Rumo (PSD/CDS-PP/MPT/PPM) recomendou, na última sessão da Assembleia Municipal de Vila Franca de Xira, que seja criada uma tarifa especial para a carreira urbana de Vialonga. Os deputados consideram que o valor do bilhete (95 cêntimos) é caro e que a carreira é “diminuta”, pelo que a câmara municipal deveria analisar com a Rodoviária de Lisboa uma alternativa mais barata que permitisse “um aumento da procura e rentabilizar o investimento que a câmara tem estado a efectuar”.

O autocarro urbano que percorre Vialonga, recorde-se, tem poucos passageiros e passam-se tardes em que apenas três pessoas se sentam nos bancos do transporte público. Essa mesma realidade foi divulgada pelo O MIRANTE em Novembro de 2008. Muitos dos utentes da carreira 372 consideram a viagem “cara” e muitos desconhecem-na por completo. Fonte: O Mirante.

A carreira esteve para ser suspensa em Março de 2008 por falta de rentabilidade e só um acordo de financiamento de 36 mil euros assinado entre a câmara municipal, a junta de freguesia e várias empresas privadas permitiu a continuidade do projecto. O autocarro, com ou sem passageiros, gasta diariamente perto de 40 litros de combustível, num custo mensal a rondar os 3 600 euros.

Ler a notícia completa

sexta-feira, 8 de Outubro de 2010

Ex-treinador do Forte da Casa, irá orientar o Operário da II Divisão

23:48

Treinador de 39 anos sente os jogadores confiantes para um momento histórico no clube. Expectativa é de disputar a vitória em todos os jogos e ser uma equipa concretizadora em casa. O Operário estreia-se neste sábado, dia 9 de Outubro, no campeonato nacional da II divisão de futsal. A formação do concelho de Lagoa é a primeira dos Açores a disputar o escalão secundário da modalidade, a antecâmara da I divisão onde actuam as melhores equipas de Portugal.

Os fabris fazem a estreia na recepção ao Amarense, de Alcobaça, em jogo da jornada de abertura da temporada 2010/11 que tem início marcado para as 17.00 horas e que será disputado no pavilhão da escola secundária de Lagoa. A expectativa é grande mas também reina a confiança porque o treinador, Roger Augusto, está habituado a estes palcos e já preparou os seus pupilos para um momento importante.

A vitória sobre «Os Independentes», de Sines, na primeira eliminatória da Taça de Portugal, há uma semana, funcionou como catalisador para o encontro com o Amarense. «Vimos preparando a estreia no campeonato com confiança. Queremos começar com uma vitória e nos jogos em casa pretendemos ser uma equipa concretizadora», referiu.

Palavras de Roger Augusto, treinador de 39 anos que está familiarizado com a II divisão de futsal pois já trabalhou ao serviço do Atlético, Forte da Casa e Santa Susana e Pobral. Experiência acumulada que o deixa à-vontade quando se trata de perspectivar o que pode o Operário fazer ao longo da época.

«Vamos sentir dificuldades mas estamos preparados para dignificar ao máximo o clube. Vencemos o jogo da Taça de Portugal e agora vamos iniciar uma prova diferente, mais relevante para os objectivos do clube, pelo que a motivação também é acrescida», disse.

Cinco anos depois de ter orientado o Forte da Casa na II divisão, Roger Augusto volta ao segundo escalão do futsal nacional com expectativas elevadas. «Coloco a mim próprio ambição e o clube também tem de encarar todos os jogos com o objectivo de lutar pela vitória. É com esses princípios que vimos trabalhando e sinto que os jogadores têm vontade de chegar mais longe».

E para a estreia o treinador do Operário conta com o apoio do público. «Esperamos casa cheia e apelamos aos adeptos para que venham apoiar-nos e desfrutar de um momento interessante porque esta é a primeira vez que a equipa vai disputar o campeonato da II divisão e queremos deixar uma boa imagem». Fonte: RTP Açores.

Ler a notícia completa

quinta-feira, 7 de Outubro de 2010

Câmara de Vila Franca e Administração do Porto de Lisboa assinam protocolo

17:37

A Câmara Municipal de Vila Franca de Xira e a Administração do Porto de Lisboa (APL) vão assinar um protocolo tendo em vista as obras de requalificação do Jardim Constantino Palha, espaços exteriores do bairro dos avieiros e do cais de Vila Franca de Xira.A assinatura do protocolo entre as duas entidades é necessário devido ao facto da frente ribeirinha da cidade, e especialmente o cais ribeirinho, estar integrado na área de jurisdição da APL.

A intervenção que o município irá realizar está inserida no Programa Polis XXI – Parcerias para a Regeneração Urbana e Requalificação das Frentes Ribeirinhas e Marítimas. O documento vai reger as bases de cooperação entre as duas entidades. Como contrapartida financeira a APL vai assegurar 345 mil euros para a obra de requalificação do cais, que será paga em duas prestações, em Junho de 2011 e Julho de 2012.

As obras serão da responsabilidade da autarquia e caberá à APL apreciar e aprovar os projectos do município para o local, assim como “estudar com a câmara municipal eventuais usos e actividades de natureza comercial, considerados necessários para a melhoria da qualidade da fruição pública da área de intervenção”, lê-se no documento. O protocolo foi aprovado por unanimidade na última reunião pública do executivo da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira. Fonte: O Mirante.

Ler a notícia completa

Juntas de freguesia recebem verbas para pagar transporte de alunos

17:08

As Juntas de Freguesia do Sobralinho, Vila Franca de Xira, São João dos Montes e Forte da Casa, no concelho de Vila Franca de Xira, vão receber da câmara municipal um valor global de 890 euros.

A verba destina-se a comparticipar uma parte dos subsídios de transporte dos alunos do concelho. Sobralinho e Vila Franca de Xira são as que vão receber menos (90 euros), seguidas de São João dos Montes (107 euros) e Forte da Casa que vai encaixar 600 euros. A proposta de transferência de verbas foi aprovada por unanimidade na última reunião pública do executivo vilafranquense.

Ler a notícia completa

Amantes das bicicletas e do BTT juntam-se em Trancoso

16:49

O Trancoso Bike Team soma três anos de existência mas já começa a ser uma referência para todos os amantes das bicicletas que apreciam num clube a vertente desportiva e de lazer. O clube conta com duas dezenas de atletas e está a preparar-se para meter na estrada a terceira edição do popular passeio “Miratejo”, no próximo dia 17 de Outubro.

Chama-se Trancoso Bike Team (TBT), nasceu há três anos e conta com duas dezenas de atletas de toda a região. Nascido como secção do Clube Recreativo e Desportivo de Trancoso, freguesia de São João dos Montes, concelho de Vila Franca de Xira, o clube tem crescido e juntado cada vez mais amantes das bicicletas e do BTT.

Um dos principais objectivos do clube é divulgar a localidade de Trancoso e proporcionar aos atletas uma experiência de competição e lazer. “Sentimos que está a surgir cada vez mais interesse por estas coisas das bicicletas e hoje em dia temos pessoas de todas as idades que participam em tudo, desde provas federadas a competições municipais. Depois também temos as pessoas que só pedalam aos domingos e outros que o fazem numa vertente mais desportiva”, explica Nélio Dionísio, um dos responsáveis do clube a O MIRANTE.

Actualmente, os atletas do Trancoso Bike Team participam em várias provas no estrangeiro e em Portugal. “Não o fazemos mais vezes porque temos de pagar as nossas deslocações e hoje em dia é tudo muito caro”, referem os responsáveis, que garantem que a porta do clube está sempre aberta e que a entrada de novos atletas é gratuita.

“Na região temos trilhos fantásticos, com excelentes inclinações e uma paisagem muito agradável. Alguns dos trilhos fazem parte também da rota das linhas de Torres Vedras, o que enriquece muito a prática do BTT nesta zona”, referem os responsáveis.

Para o futuro os objectivos do TBT são continuar a aumentar o número de praticantes de BTT e ciclismo continuar a levar mais longe o nome de Trancoso e Vila Franca de Xira.

“Mas o principal é criar um grupo unido em que as pessoas tenham a possibilidade de praticar desporto com qualidade. Queremos apelar a um estilo de vida saudável e de contacto com a natureza”, conclui Nélio Dionísio.

Actualmente uma das maiores dificuldades do clube é a falta de um reboque que permita transportar as bicicletas para as provas. “Se tivéssemos um reboque seria bem melhor e poupava-se imenso, porque hoje em dia temos de levar várias carrinhas para as provas. Andamos a tentar construir um mas não está fácil”, confessa Nélio Dionísio.

Passeio BTT promete juntar meia centena de atletas

O Trancoso Bike Team vai organizar no dia 17 de Outubro o seu terceiro passeio BTT “Miratejo”, uma prova que anualmente junta perto de meia centena de atletas no concelho de Vila Franca de Xira. A prova deste ano realiza-se em trilhos com alguma dificuldade técnica e de andamento livre, com duas distâncias: 20 quilómetros (grau médio de dificuldade) e 37 km (grau de dificuldade alto). O valor das inscrições para a prova será de cinco euros sem almoço e 11 euros com almoço, com direito a brindes e reforços ao longo do passeio. As inscrições devem ser feitas e pagas até ao dia 15 de Outubro através dos contactos 219 502 943 ou o 914 346 838. Os balneários do Clube Recreativo e Desportivo de Trancoso estarão à disposição dos participantes para quem deseje tomar banho no final da prova. Fonte: O Mirante.

Ler a notícia completa

Silo automóvel da Póvoa de Santa Iria fica concluído no final do ano

16:43

O silo de automóveis que está a ser construído desde 2006 no cimo da Avenida Ernest Solvay, na Póvoa de Santa Iria, deverá ficar concluído até ao final do ano. A previsão é do vice-presidente da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira, Alberto Mesquita. A mesma garantia é dada pelo encarregado da obra, Artur Vilela, que assegura que só faltam os arranjos exteriores, os portões das boxes e o sistema de electricidade.

A Câmara Municipal de Vila Franca de Xira ainda não sabe o preço que será aplicado no parque de estacionamento, mas tem conhecimento de que o promotor da obra, a empresa Quinta da Piedade - Imóveis e Construção, pretende dar prioridade de compra aos moradores dos prédios contíguos. O silo terá capacidade para 300 lugares de estacionamento subterrâneos.

O promotor também se comprometeu a construir uma praça pública com um quiosque, ciclovia, zona de lazer e 70 lugares de estacionamento à superfície, ficando responsável pela sua manutenção.

A obra, que se tem arrastado no tempo por causa das “dificuldades financeiras do promotor”, como explica o presidente da Junta de Freguesia da Póvoa de Santa Iria, Jorge Ribeiro, nunca foi pacífica. Inês Zorro, 50 anos, gestora de um ginásio contíguo à construção, mostra as rachas que a obra provocou nas paredes do espaço. Dentro de sua casa, num dos prédios das imediações, chegou a acordar com os quadros a abanar nas paredes do quarto.

O promotor prometeu reparar os danos causados aos moradores, depois de a Câmara Municipal de Vila Franca ter feito uma vistoria aos apartamentos e arrecadações afectados. Jorge Ribeiro confirma que ficou o compromisso que tudo iria ser reparado, após a conclusão da obra. “A Câmara Municipal intervirá nos casos em que lhe seja solicitada uma vistoria técnica”, acrescenta Alberto Mesquita. Mas Inês Zorro garante que até agora nunca chegou a ser contactada para receber qualquer recompensa pelos danos causados.

A empresa já cumpriu uma das contrapartidas previstas no acordo ao construir a Escola Básica 1 do Casal da Serra, no valor de 1,6 milhões de euros. Falta agora concluir os arranjos exteriores da nova praça a construir no topo do silo automóvel, com um custo estimado de 300 mil euros. “Não existem obras que não provoquem incómodos. O resultado final vai agradar aos moradores porque vai nascer uma praça interessante num espaço que antes era um buraco negro”, conclui Jorge Ribeiro. Fonte: O Mirante.

Ler a notícia completa

Estacionamento na zona antiga da Póvoa vai ser pago em 2011

16:40

Quem quiser estacionar o carro na zona mais antiga da Póvoa de Santa Iria, concelho de Vila Franca de Xira, vai ter que pagar no primeiro trimestre de 2011.O estacionamento na zona antiga da Póvoa de Santa Iria, freguesia do concelho de Vila Franca de Xira, vai passar a ser pago no primeiro trimestre de 2011. A medida é apontada pelo presidente da junta de freguesia como a solução para os problemas de mobilidade da cidade.

Em declarações a O MIRANTE Jorge Ribeiro informa que o projecto encontra-se ainda em fase de estudo não querendo por isso enumerar, pelo menos para já, as ruas que serão alvo da medida. Os valores a cobrar também ainda não foram estipulados.

O autarca garante no entanto que as alternativas terão que ser apresentadas para que a Póvoa de Santa Iria melhore a mobilidade e garanta a rotatividade no estacionamento.

“Será que os parquímetros vão solucionar o problema?” questiona-se Graça Soares para quem andar a pé é o modo mais eficiente de circular naquela cidade.

Tendo em conta que as dificuldades de mobilidade na cidade são óbvias Manuel Braga, 76 anos, encara os parquímetros como uma boa solução. “Uma pessoa vem à farmácia ou às compras e encosta aqui, coloca a moeda e fica descansado”, sugere o taxista aposentado.

Quando se fala em estacionamento Carlos Guerreiro lembra-se sempre da Praça de Toiros que depois das festas ainda não foi desmontada. No local onde está implantada vai roubando alguns lugares. A propósito do problema da falta da mobilidade o reformado defende uma solução radical que passa pelo restauro da zona reabilitando não só as casas, mas também as ruas. “Eu cortaria o trânsito na totalidade, dando prioridade aos peões e aos transportes públicos para as pessoas pudessem aproveitar a cidade e o comércio local”, sugere. Fonte: O Mirante.

Ler a notícia completa

Talude que cedeu em Vialonga está há oito meses à espera de intervenção Vialonga está há oito meses à espera de intervenção

16:36

A encosta que cedeu em Fevereiro deste ano em Vialonga, arrastando um automóvel de um médico que dava consultas na Unidade de Saúde Familiar, ali ao lado, ainda não foi alvo de intervenção. Utentes e profissionais temem pela segurança do local.

O talude perigoso, que abateu no último Inverno próximo da Unidade de Saúde Familiar (USF) de Vialonga e que destruiu a viatura de um médico, ainda não foi alvo de uma intervenção. Oito meses depois do acidente os utentes, profissionais e moradores da zona temem pela segurança do local e reclamam medidas urgentes.

O abate da encosta em Fevereiro deste ano levou uma parte do passeio, que continua vedado ao público, assim como o automóvel de um clínico que estava a dar consultas no centro de saúde. Quem ali vive garante que a chegada do Inverno poderá trazer sérias consequências e até os profissionais da USF temem pela estabilidade do edifício.

“Nada foi feito ali. Nenhum muro foi erguido. Nenhuma placa foi colocada para reter as terras. Da maneira como as coisas estão é certo mais pedaços de terra abaterem quando as chuvas chegarem vão poder levar uma parte do asfalto e, quem sabe, causar estragos no centro de saúde”, refere com preocupação uma funcionária a O MIRANTE.

Para os moradores a situação também gera preocupação. “Não se trata apenas dos lugares a menos para estacionamento. É também o arrastar de um problema que não tem solução à vista e se as pessoas não divulgarem o que se passa nada será feito e o problema arrasta-se. O que temos ali é uma vedação que não protege nada. Qualquer criança pode chegar-se ao beirado e cair”, alerta Pedro Nobre, morador.

O terreno é privado e, segundo a Câmara Municipal de Vila Franca de Xira, o seu proprietário alegou não ter capacidade financeira para construir um muro de suporte de terras no lote. Por esse motivo o problema foi encaminhado para o Departamento de Planeamento, Gestão e Qualificação Urbana (DPGQU) da câmara para análise, de onde ainda não saiu.

“Pensou colocar-se um prisma de terras no local, com terra que nos era oferecida, mas depois acabámos por perceber que essas mesmas terras não tinham capacidade para reter o talude”, justifica a autarquia. O vereador com o pelouro das obras, Rui Rei (Coligação Novo Rumo), garante que a situação vai ser alvo de análise e que será encontrada uma solução, acrescentando que este caso “não é responsabilidade do município” mas sim do proprietário do terreno. Para já o município garante que o edifício onde funciona a USF e os prédios circundantes ao talude não se encontram em risco.

Recorde-se que, em Fevereiro, o presidente da Junta de Freguesia de Vialonga, José Gomes (CDU) alertou para a existência de vários taludes antigos e casas abandonadas na freguesia em risco de derrocada. As preocupações do autarca foram expressadas no dia em que o talude próximo da USF ruiu arrastando um Hyundai Santa Fé de um dos médicos. “Quando ouvi o estrondo vim à rua verificar o que se tinha passado e vi o carro. As estruturas estremeceram devido ao volume e ao peso das terras que se movimentaram. Algumas pessoas tiveram receio que houvesse danos estruturais no edifício”, relatou na altura José Mendonça, proprietário da viatura acidentada ao nosso jornal. Fonte: Mirante.

Ler a notícia completa

Obras do novo pavilhão do Cevadeiro arrancam em Dezembro

14:40

A construção do novo pavilhão multiusos do Parque Urbano do Cevadeiro, em Vila Franca de Xira, vai arrancar no final do mês de Dezembro. É este o prazo previsto para o início da execução da empreitada, orçada em 2 milhões e 250 mil euros. A construção do novo pavilhão do Cevadeiro tem uma duração prevista de 210 dias. A obra deverá ficar concluída a 31 de Agosto de 2011.

O executivo vilafranquense aprovou por unanimidade, na última reunião pública, o projecto de execução do novo pavilhão. A obra de construção do pavilhão, recorde-se, foi adiada no final de 2009 devido a um incumprimento da empresa projectista. De acordo com a autarquia, a decisão de adiar a construção do novo pavilhão prendeu-se com o facto de a empresa vencedora do concurso público não ter cumprido a cláusula do caderno de encargos relativa à estimativa orçamental para a empreitada.

A câmara tinha orçamentado um investimento a rondar os dois milhões de euros mas a empresa apresentou um encargo estimado em dois milhões e 400 mil euros. Esta situação levou a câmara a cancelar o contrato entre as partes e a abrir um novo concurso com vista à escolha de uma nova firma projectista para a realização do projecto.

Na cerimónia de inauguração da 30ª Feira de Artesanato, realizada na tarde de dia 1 de Outubro, a presidente da Câmara Municipal, Maria da Luz Rosinha, garantiu que em 2011 o Cevadeiro terá um novo pavilhão multiusos. Fonte: Mirante.

Ler a notícia completa

Rosinha diz que a esquadra da Póvoa não abriu por causa de atraso nos arranjos exteriores

14:33

A nova esquadra da PSP da Póvoa de Santa Iria só irá abrir em 2011. Não por falta de efectivos, mas porque as obras exteriores ainda estão por concluir, diz a presidente da câmara de Vila Franca de Xira.

A abertura da nova esquadra da Polícia de Segurança Pública na cidade da Póvoa de Santa Iria, concelho de Vila Franca de Xira, está dependente da conclusão das obras no exterior do edifício mas ficará a funcionar normalmente até ao final de 2011.

A garantia é da presidente da câmara municipal, Maria da Luz Rosinha (PS), que garante que a falta de efectivos para a ocupar é um problema que não existe. “Neste momento a esquadra só não está a funcionar porque a câmara teve de reformular o projecto dos arranjos exteriores no espaço no sentido de lhe dar um enquadramento que consideramos obrigatório, pela dignidade das pessoas que lá vão trabalhar”, garantiu Maria da Luz Rosinha a O MIRANTE. A obra tem um custo que ronda os 100 mil euros. O projecto está concluído e a autarquia prepara-se para lançar o concurso.

A autarca garante ainda que pediu ao Ministério da Administração Interna que só abrisse as portas da nova esquadra quando tudo estiver concluído. “Por isso a falta de efectivos é um falso problema”, afirmou.

A presidente do município respondeu também às críticas do dirigente do Sindicato dos Profissionais de Polícia (SPP), António Ramos, que disse a O MIRANTE que a divisão policial de Vila Franca de Xira tem um défice de 60 homens.

“Há mais de um ano o mesmo senhor dizia que nunca iria haver uma esquadra na Póvoa de Santa Iria. Afinal a esquadra está construída e revelou-se que isso não é verdade. Quando diz que a esquadra não abre porque não há efectivos não sabe do que fala. Ou então fala com recalcamentos”, reagiu.

O dirigente sindical António Ramos, recorde-se, disse ao nosso jornal que a divisão vilafranquense está “desfalcada” e que existem muitos serviços “reduzidos ao mínimo”. “Um piquete que deveria ter um efectivo de sete, oito homens, muitas vezes tem dois ou três elementos. A esquadra da Póvoa ainda não abriu por falta de efectivos”, disse.

A direcção nacional da PSP justificou o atraso da abertura com o facto de ainda não terem sido instalados os equipamentos necessários. A nova esquadra, com cerca de mil metros quadrados, distribuídos por dois andares, tem capacidade para albergar 120 agentes. Fica na rua Alcino de Oliveira e Silva, junto à escola EB1 da cidade e vai servir as freguesias da Póvoa de Santa Iria e Forte da Casa. Terá as valências de Investigação Criminal e de Intervenção e Fiscalização Policial (piquete).

A nova esquadra irá ter também um balcão de atendimento ao público aberto 24 horas por dia, permitindo que a população evite deslocar-se a Alverca para efectuar denúncias ou obter informações. Fonte: O Mirante.

Ler a notícia completa